Direcção Administrativa e Financeira

Uma das grandes deficiências no sistema de saúde em STP é existência do desvio entre aquilo que está programado e o que é executado, isso, fruto de inexistência de um sistema de gestão orçamental para o seguimento e avaliação. Alguns passos foram tomados no âmbito do reforço do sistema de saúde em conjunto com a DAF na aquisição de um pacote de software de gestão contabilística, financeira e de stock, distribuindo assim para as áreas de saúde, DAF, e hospital central.

Não obstante, para o melhor controlo e rigor, é importante algumas iniciativas como:

  • Aumentar a consciencialização e a capacidade de gestão financeira pública/ privada nas
    áreas de saúde e em especial no hospital Dr. Ayres de Menezes.
  • Defender o desenvolvimento de políticas sobre mecanismos para gerar recursos
    adicionais, como impostos sobre álcool, cigarros), Etc.
  • Fortalecer mais a política de recuperação de custo e tirar bons exemplos comparativos
    para serem implementados no hospital justify; font-family: Times; font-size: 20px;.
  • Usar provisão na elaboração dos seus orçamentos para facilitar a sua execução,
    definindo a programação financeira e dotação orçamental no horizonte fiscal de um ano.
    Controlo de gestão de consumo de fornecimento de serviços externos (água, eletricidade,
    Internet e telecomunicação), propondo a definição de um valor único às empresas
    fornecedoras para o pagamento mensal ou anual dos diferentes consumos
    Promover a cultura de tolerância zero para a corrupção e um ambiente de
    funcionamento generalizado e funcional com responsabilidade mútua dos níveis mais
    baixos para os mais altos.
  • Padronizar os procedimentos no departamento de aprovisionamento e distribuição
    médica e submeter a uma permanente auditoria.

O PNDS ressalta o sistema de auditoria a um nível mais alto como:
 Sistematização de auditorias financeiras em todas as instituições de saúde;
 Promover um aumento do número e das capacidades dos auditores internos a nível distrital, reforçando simultaneamente as capacidades de auditoria a nível central;
 O risco fiduciário na DAF refere-se a deficiências na planificação, orçamentação e informação de relatórios para as despesas financiadas pelos doadores. Dada a grande proporção das espesas globais do sector da saúde representadas por fontes externas, o que aumenta o nível de risco fiduciário, deverá haver rigor e transparência nos relatórios;
 A eficácia da função de auditoria será reforçada à medida que a capacidade de gestão financeira geral, contabilidade e auditoria se aprofundar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *