Equipa técnica da China não dá trégua ao paludismo em São Tomé e Príncipe

A missão técnica chinesa com apoio de técnicos são-tomenses, procedeu quarta-feira, a testagem de paludismo a cerca de 700 pessoas que vivem no Bairro da Liberdade, nos arredores da capital de São-Tomé, no âmbito de combate a doença no arquipélago, anunciou chefe da equipa chinesa, li Mingqiang.

li Mingqiang disse tratar-se de uma ação de continuidade de luta contra o paludismo nesta zona considerada de foco da doença, um ano depois da execução de tratamento em massa com vista a entrada da fase da sua erradicação do País, tendo-se congratulado com a determinação e profissionalismo do técnicos nacionais bem como a contribuição da população local.

Em declarações a STP-Press, o chefe da equipa dos técnicos nacionais, Waldmir Martins disse que esta operação de quarta-feira, dia 24, tem como pano de fundo a realização de uma busca geral e activa através de testagem de todos os elementos da população local para se avaliar o ponto da situação sobre a evolução da doença depois do tratamento maciço realizado há um ano.

“Estamos a andar de casa em casa e diagnosticar toda gente que aqui vive para sabermos como é que esta a situação de casos de paludismo” disse Waldmir Martins, acrescentando que “não vamos dar trégua ao paludismo apesar da actual pandemia do coronavírus”.

O cidadão Vasco Guiva, líder dos moradores do Bairro da Liberdade disse a STP-Press que “apesar de ressurgimento de alguns casos de paludismo nos últimos meses, o número de casos da doença diminui significativamente como resultado da intervenção da equipa chinesa há um ano com o referido tratamento de massa aqui nesta zona que era considerada de foco da doença”.

“Antes da intervenção chinesa apoiada por técnicos nacionais, o paludismo era pão nosso de cada dia neste bairro”, disse Vasco Guíva acrescentando que “ nós acreditamos e temos fé que esta doença vai acabar aqui nesta zona e em todo território são-tomense”.

Além de tratamento em massa, diagnostico generalizado, a equipa técnica chinesa tem apostado também em ações de fumigação espacial, pulverização intradomiciliar, entre outra ações de combate ao mosquito transmissor da doença no arquipélago.

Fonte: STP-Press