Programa Saúde Escolar e Adolescente

Os jovens e os adolescentes são um grupo alvo prioritário para as intervenções de saúde, enaltecendo as atividades de promoção, prevenção e proteção dos direitos dos adolescentes em matéria de informação e prestação de serviços de saúde reprodutiva.

Em STP a maioria da população centra-se na faixa etária inferior aos 25 anos, e por norma a atividade sexual é iniciada precocemente.Segundo um estudo realizado em 2001 cerca de 20% dos jovens com idade inferior a 17 anos já tinha uma vida sexual ativa e conheciam os riscos de uma relação sexual desprotegida. Este facto tem contribuído para uma elevada incidência de gravidez precoce, gravidez não desejada e interrupção voluntária de gravidez fora do sistema hospitalar. Ainda sobre o mesmo estudo 37,5% com idade entre 15 e 17 anos revelaram ter recorrido a interrupção voluntária da gravidez.

As infeções sexualmente transmissíveis entre os jovens também têm apresentando uma tendência crescente, fruto de comportamentos irresponsáveis.

Objetivo Geral
O Programa de Saúde Escolar e Adolescentes, deve ser desenvolvido nos estabelecimentos de ensino pré-primário, primário e secundário, de todo país, sejam eles públicos ou privados, e deve abranger para além dos alunos, todos os membros da comunidade escolar ou seja, professores/educadores, funcionários e indiretamente, os pais/encarregados de educação e a comunidade circunvizinha.

Objetivos Específicos
Promover, de forma inclusiva e abrangente a saúde escolar e prevenir a doença na comunidade escolar, assegurando um ambiente escolar seguro e saudável, incentivando práticas de vida saudáveis, favoráveis a uma boa aprendizagem e ao crescimento e desenvolvimento harmonioso do aluno.
Assegurar uma gestão e implementação eficazes do Programa de Saúde Escolar e Adolescentes a todos os níveis de ensino através de boas práticas de gestão e do envolvimento de todos os atores chave (alunos, professores, profissionais de saúde, comunidades, gestores dos sectores de educação e da saúde, parceiros, etc.);

Fortalecer as estruturas de gestão do Programa de Saúde Escolar a todos os níveis (central, distrital, regional, escolas) de forma a criar condições favoráveis a implementação das atividades de saúde escolar;
Promover um ambiente saudável e seguro nas escolas e incentivar os alunos na descoberta do seu potencial de saúde, na adoção de respostas adequadas aos desafios do dia-a-dia a sua saúde e no domínio dos fatores de proteção relacionados com estilos de vida saudáveis, desenvolvendo nos alunos habilidades que contribuam para o sucesso escolar e reforço da sua autoestima.
Assegurar a inclusão/integração das crianças com necessidades educativas e de saúde especiais, estimular a utilização de medidas para a prevenção primária e secundaria dos principais problemas de saúde e melhorar o acesso da população escolar aos serviços de saúde, estabelecendo um sistema de referência adequado dos alunos às Unidades Sanitárias.
Estabelecer mecanismos sustentáveis para formação dos professores em temas de saúde, género, saúde sexual e reprodutiva e capacitação continua destes e de outros intervenientes, na implementação do programa e difusão de mensagens sobre saúde;
Sensibilizar parceiros e outros intervenientes (pais, encarregados de educação, sociedade civil, líderes religiosos, ONG’s, associações, etc.) acerca da problemática de saúde da população em idade escolar e solicitar o seu apoio na implementação sustentável do programa.

Estratégias
Dar prioridade à saúde e ao desenvolvimento dos adolescentes nas suas agendas nacionais de desenvolvimento social e económico;
Reformular as políticas e programas nacionais para a saúde e desenvolvimento dos adolescentes;
Reorientar e reforçar as capacidades do sector da saúde para a prestação de serviços básicos que respondam as necessidades dos adolescentes, incluindo os que se encontram em situação difícil, por meio da participação ativa dos jovens, famílias, comunidades, dirigentes religiosos, organizações não-governamentais locais e outros intervenientes relevantes;
Estabelecer parcerias multissectoriais e reforço da colaboração de modo a obter mais recursos para a saúde e desenvolvimento dos jovens;

Proporcionar aos jovens as competências necessárias para a participação significativa na formulação e implementação de políticas e programas para a saúde e desenvolvimento dos adolescentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *