Programa Luta contra Tuberculose

Situação atual
O plano estratégico de luta contra a tuberculose define uma radiografia clara sobre a tuberculose em STP, o qual constitui um sério problema de saúde pública nacional com uma incidência de 93/100 000 habitantes em 2012 (Relatório OMS 2013), afetando principalmente os adultos, jovens, e as pessoas portadoras de VIH/SIDA. O programa notifica, anualmente, pouco mais de 130 casos de TB de todas as formas. Entretanto, houve uma redução de 2011 para 2012, de 146 para 127 casos (Global Turbeculosis Report- WHO, 2013). De acordo com a mesma fonte, a taxa de deteção situa-se em 79% e de sucesso terapêutico em 71% (2011).

O número de casos de TB associados ao VIH tem vindo a aumentar nos últimos anos, visto que a TB é a infeção oportunista mais comum nessas pessoas. A taxa de prevalência de VIH nos doentes TB passou de 3% em 2005 para 14% em 2012 (relatório OMS 2013) e 20% em 2013 (PNLT).

O surgimento de casos de TB resistentes (TBMDR) vem agravar a situação e constitui um fardo suplementar para o sistema de saúde, alertando assim para a necessidade de se reforçar o sistema de despistagem e de tratamento correto dos casos. Entre maio de 2011 e maio de 2013, o país confirmou 15 casos de TBMDR, 8 dos quais em 2012 o que representa 6,4% (8/126) dos casos de TB, (Relatório OMS, 2013). De realçar que este aumento de casos TBMR pode estar relacionado, por um lado, com uma maior disponibilidade de diagnóstico (a partir de 2011) e por outro por uma implementação inicialmente débil da estratégia DOT.

Acrescenta-se que a correlação entre TB/BK+ e o total de casos novos como TB pulmonar, notificados passou de 34,8% (30/86) em 2000 a 61% (59/96) em 2012. Também é importante sublinhar que em 2013 os casos TB BK+ representaram 68% (74/108) de todos os casos novos TB pulmonar; contudo, 71% desses casos mostram uma alta positividade, o que poderá estar ligado à deteção e/ou chegada tardia dos pacientes às unidades sanitárias.

No que toca a outras formas notificadas, extrapulmonares e retratamento, constata-se que os casos de TB extrapulmonar variam ao longo dos anos. Em 2005 os casos de retratamento notificados foram 27. Entre 2011 e 2012, verificou-se uma redução de cerca de 50% destes casos. Importa referir que a metade dos casos de retratamento em 2012 foi confirmada como sendo TBMR. No que toca a outras formas notificadas, extrapulmonares e retratamento, constata-se que os casos de TB extrapulmonar variam ao longo dos anos. Em 2005 os casos de retratamento notificados foram 27. Entre 2011 e 2012, verificou-se uma redução de cerca de 50% destes casos. Importa referir que a metade dos casos de retratamento em 2012 foi confirmada como sendo TBMR.

O diagnóstico da TB nas crianças é difícil devido sobretudo a ausência de técnicas sensíveis, tal como o Gene Xpert. Contudo, é evidente que houve um aumento de notificação de casos de TB nas crianças, que duplicou nos últimos dois anos (2012 e 2013), quando comparado com os dois anos precedentes.

Apesar do subregisto, algumas crianças foram submetidas a profilaxia com Isoniazida (INH).

Objetivo Geral
Reduzir a morbilidade e a mortalidade relacionadas com a tuberculose.

Objetivos Específicos
Reforçar as capacidades do programa;
Reduzir a incidência de tuberculose em 60%, de 93/100.000 para 68/100.000 em 2022;
Melhorar a cobertura da profilaxia com isoniazida;
Reforçar as medidas de controlo de infeção;
Reforçar a busca de contactos;
Reforçar as medidas de sensibilização e prevenção;
Identificar 90% de todos os doentes que sofrem de tuberculose e coloca-los ao
tratamento adequado;
Identificar pelo menos 90% dos casos de tuberculose entre as populações chaves
(PVVIH, profissionais de saúde diabéticos e prisioneiros);
Tratar com sucesso pelo menos 90% de pacientes diagnosticados com TB (80% para os
casos TB-MR);
Melhorar o acesso da população chave (profissionais de saúde, prisioneiros, diabéticos,
PVVIH) ao serviço de TB,
Reduzir o estigma na população chave;
Melhorar a colheita dos dados para permitir a sua utilização na tomada de decisão;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *