RSS

O reforço de capacidade da DAF está bem descrito no acordo de Reforço de Sistema de Saúde co-financiado pela GAVI, assim sendo, a implementação do RSS é uma oportunidade de executar um conjunto de atividade para elevar a potencialidade administrativa e financeira do Ministério da Saúde.

Objetivo Geral
Consolidar e assegurar o excelente nível do sistema de saúde e em especial uma melhor cobertura observada para as diferentes atividades do programa alargado de vacinação (PAV).

Objetivos Específicos:
 Reforçar a capacidade do Ministério da Saúde em matéria de coordenação e de planificação das atividades do PAV dentro do quadro de execução do PNDS;
 Contribuir para o melhoramento das condições logísticas para boa execução do PAV nos seis distritos em São Tomé e na Região Autónoma do Príncipe;
 Reforçar as capacidades operacionais da sociedade civil e das organizações comunitárias para a execução e seguimento ao nível comunitário das intervenções em matéria de vacinação;
 Contribuir para o reforço do sistema de informação de saúde e de vigilância epidemiológica para seguimento, avaliação e pilotagem do PAV;

O projeto inscreve-se no quadro de um acordo de parceria assinado entre GAVI e o governo da República de São Tomé e Príncipe em 2009 e está alinhado dentro do Plano nacional de desenvolvimento de saúde (PNDS), e complementa todos outros projetos co-financiados pelo GAVI em STP em parceria com outros parceiros no seio da Saúde.
A execução do RSS-GAVI está previsto para um período de 5 anos (janeiro 2016-dezembro de 2020).

O apoio da GAVI através do RSS visa definir as prioridades do sistema de saúde relativos à vacinação. Existem algumas limitações, nomeadamente:
 Fraco investimento do estado no sector de saúde e insuficiente capacidade do Ministério da Saúde em matéria de orçamentação planificação e gestão de fundos.
 PNDS generalizado na sua realização, sem órgãos de pilotagem, sem plano de seguimento e avaliação e sem mecanismo de coordenação dos parceiros.
 Obsolência de cadeia de frio, falta de tratamento do lixo hospitalar e fraca capacidade de manutenção dos equipamentos e infraestruturas.
 Falta de um plano integrado de comunicação para o PAV e fraca implicação e participação de sociedade no domínio da vacinação.
 Fragmentação das estruturas a nível dos responsáveis de supervisão do SIS, pouca coordenação com o PAV, insuficiente utilização das ferramentas e procedimentos de controlo de qualidade de dados, fraca utilização de informação coletadas por parte das áreas de saúde.